Eu, que já morri
Continuo com os olhos abertos
Observando cada golpe
Que o meu corpo já podre
Teima em aceitar

Eu que já morri
Deixei usarem o que restou
Dos meus ossos
Para que acendessem
A fogueira
Que me queima

Eu que já morri
Ainda sinto o cheiro
Que sai do ralo
Da maldade humana

Eu que já morri
Ainda ouço
As lamentações polidas
Meus pêsames
Sinto muito
Que Deus conforte

Eu que já morri
Ainda sinto o chão gelado
Que o resto do meu corpo
Limpa
Enquanto me arrastam
Pro fim de tudo

Eu
Que já morri
E ainda
Sinto tudo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s