400KM

era um tempo bom. ele me dizendo, vem. e eu dizendo, vem. e ele me perguntando, quando você vem me ver e eu perguntando quando você vem me ver e ele ligando e dizendo que era só saudade. e era pra ser assim todo o tempo porque não tinha nada além, era só ele e eu no mundinho secreto que só cabia a gente e os bons dias ás seis da manhã me fazendo suspirar no meio da tarde porque em algum lugar tinha ele que sempre me dizia, vem.

era pra ter um sofá e um livro e a tv ligada, pra eu fingir ler com os pés em cima da perna dele e reclamar dizendo que eu quero mais é que esse time morra e então ele ia fazer uma piada e o livro ficaria chato e o jogo pra depois porque não importaria mais se aquele time morresse mesmo.

era pra ter uma música qualquer do Chico, porque ele sabe fazer o Chico ser mais bonito e era pra saudade não apertar tanto porque eu sabia que uma hora qualquer a gente ia se ver. era ele enchendo a minha vida, fazendo meu coração palpitar e era ele me fazendo pensar que talvez, quem sabe.

era pra estrada ser mais curta. e o calor abafado da chuva de verão seria até bonito. era pra ter ele sorrindo.

e me dizendo, vem.

eu sinto saudade de como você conseguia aquecer a minha alma nesses dias em que tudo parecia não fazer sentido algum. eu sinto falta de quando seu nome era resposta pra tudo.

#winter

 essa tela vazia grita pra que eu escreva alguma coisa. você escreve tão bem. você é foda. é o que dizem. pode até ser. eu sou foda. eu sou pateticamente foda. incrivelmente competente na tão antiga arte de estragar tudo. não foi culpa minha, eu sei. mas todo dia.. se eu tivesse sido mais paciente, se eu tivesse tido mais calma, se eu tivesse compreendido mais, se eu tivesse mais amor. e amor era tudo o que eu tinha.

eu amava aquele sorriso, e aquela vontade de tudo, e aquele bom humor. como eu invejava aquele bom humor. a ponto de querer roubar pra mim. e eu quis morrer naquele abraço, e quis viver naquele ombro. eu quis todos os dias e noites frios de todos os anos possiveis. eu quis, eu quis demais. eu quis que fosse verdade, que fosse possivel.

e era um tormento. tanto desejo, um coração aquecido como nunca antes, era um tormento sorrir assim tão fácil. o cheiro, o perfume que não saía de mim, um tormento. o caminho de volta, o caminho perdido, a hora passando tão rápido, os dias, o tempo levando o melhor e o pior embora.

eu esperava. um milagre, um meteoro, um raio. qualquer coisa que mudasse o rumo óbvio do estava por vir. e ficou dificil respirar, viver era um constante desespero. o tempo, as horas, os dias me tirando essa sensação. e era como tentar segurar água nas mãos. era como tentar me livrar da areia movediça.

agora essa tela em branco me dizendo: escreva, escreva. e eu não consigo escrever nada que não seja você.