Iza

Cheguei atrasada duas vezes. Ou foi ela que não conseguiu me esperar. Jamais saberei.

No dia do show, ela me ligou perguntando onde eu estava:

-To no metrô, Iza. Já to chegando, me espera.

Quando cheguei recebi o recado dela que me pedia desculpas mas teve que ir embora porque estava passando mal. No dia seguinte pelo msn ela me pediu desculpas de novo. Disse a ela que não tinha problema, que eu daria o meu abraço de aniversário assim que ela estivesse melhor, combinamos de marcar alguma coisa quando ela se recuperasse.

Poucos dias depois soube da internação e liguei de novo.

-Como vc tá?

-Ai, amiga… to aqui, né? Tá foda…

-Iza, se cuida. Essa semana eu dou um jeito e desço pra te visitar.

-Vem sim, quero te ver. Te amo, amiga.  Bjo.

-Te amo também, se cuida! Bjo.

No sabádo desci a serra com a Bruna e o Dario, nossos amigos, e ao ligar pro celular dela pra avisar que estavamos em Santos pra ver a Iza recebemos a noticia que ela tinha ido embora.

Poucas vezes na minha vida eu tive essa sensação de perder o chão, é inexplicavél. Não existe forma possível, palavra, adjetivo… não existe nada que defina o que a Iza foi. Exemplo, sem dúvida! Poucas vezes conheci alguém de tamanha sinceridade, de palavras e sentimentos. Foram muitas e muitas madrugadas a fio de conversas… shows, encontros, desentendimentos, risadas. E foram tantos abraços! E foi ela tentando me convencer que eu podia ajuda-la sem machucar porque eu tinha medo que ela sentisse dor quando era preciso ajeita-la na cadeira. E foi ela tantas e tantas vezes me dizendo: Escreva! Escreva! Você sabe fazer isso!

E foi ela quem me ensinou que a maior limitação está na nossa cabeça, não no corpo.

E dizer adeus foi mais dificil que eu poderia imaginar. Mesmo sabendo de alguma forma que a convivência seria breve. Acho que por também sentir isso, ela era a definição da intensidade. Amou como poucos. Amou a banda pela qual nos conhecemos, amou a familia… E que familia LINDA! Que até o ultimo momento a protegeu de coisas que a magoavam. Amou os amigos de tal maneira que nos ensinou a amar. E por isso foi e é  muito muito amada.

Minha amiga, com quem eu dividia o mesmo sobrenome, sempre engajada nas causas de quem amava. Abraçou mais do que ninguém a luta do Fernando, e por ele nutria o amor mais sincero que eu já vi. E ele corrspondeu a altura. E por isso, mesmo estando tão longe, cumprindo seu papel de fazer as pessoas felizes, esteve com ela no fim através das músicas que ela tanto amava e que tocava baixinho perto dela. E foi assim, baixinho, quase sem voz que todos os presentes cantaram para ela: – Belinha, vou te guardar comigo…

E foi em alto e bom som, pra quem quisesse ouvir, que dissemos pra ela o que agora finalmente tem um sentido definitivo:

Enquanto houver você do outro lado
Aqui do outro eu consigo me orientar
Tua palavra, tua história
Tua verdade fazendo escola
E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar
Só enquanto eu respirar, vou me lembrar de você!

Acredito piamente que não nos deixamos, continuamos unidos a ela pelo amor que ela nos deixou, por tudo o que vivemos juntos. Um dia estaremos todos juntos novamente, como nunca deveria deixar de ter sido. Familia é quem o nosso coração escolhe. Não perdi uma amiga, perdi uma irmã, com quem muitas vezes eu implicava… mas sabia que era só estender a mão e ela estaria ali. Agora está aqui, guardadinha no meu coração.

“O que as grandes e puras afeições têm de bom é que depois da felicidade de as ter sentido, resta ainda a felicidade de recordá-las.’

Anúncios

“Seu cretino, pensou. Seu cretino encantador. Não me faça feliz. Por favor, não me sacie nem me deixe pensar que alguma coisa boa pode sair disso. Olhe para meus machucados. Olhe para este arranhão. Está vendo o arranhão dentro de mim? Está vendo ele crescer bem diante dos seus olhos, me corroendo? Não quero ter esperança de mais nada.”

sabe essas coisinhas que a gente guarda? cada dia um pouquinho. e vai juntando tudo num cantinho – sabe-se lá se da alma ou do coração, se é que existe diferença – até a hora em que não dá mais pra segurar, porque não cabe mais?

e quando você vai remexer acha coisas que até já tinha esquecido, algumas que diminuiram, outras aumentaram tanto que não se sabe como não explodiram ali.

sabe essas coisinhas que a gente guarda e finge que esqueceu?  pois,é.

=/

If my sky should fall
Would you even call?
I’ve opened up my heart
I never wanna part
I’m givin’ you the ball

 When I look in your eyes
I can feel the butterflies
Could you find a love in me?
Would you carve me in a tree?
Don’t fill my heart with lies
I will love you when you’re blue
But tell me, darlin’, true
What am I to you?

re-aprender a sorrir certamente foi uma das coisas mais difíceis da minha vida. não me sentir culpada por estar bem, por sentir prazer em fazer as coisas que eu gosto.

a vida pode mesmo ser bonita se a gente só tentar.

to sendo feliz, bem aqui. descobri que não preciso fazer malas nem fechar portas pra isso. e, mais importante, descobri que eu mereço sentir isso e tá sendo muito bom. não importa onde vai dar, está valendo a pena.